Academia Vianense de Letras

João Mendonça Cordeiro nasceu em Viana, no dia 6 de agosto de 1934. Filho primogênito de João Lopes Cordeiro e Eruena Mendonça Cordeiro, concluiu o curso primário na Escola Agrupada São Sebastião, aos 12 anos, depois de ter sido aluno das professoras Benedita Balby e Zeíla Cunha Lauletta. Influenciado pela liderança e carisma extraordinários do Padre Manoel Arouche, optou pela vida sacerdotal, ingressando no Seminário Santo Antônio de São Luís, para fazer o curso de Humanidades, concluído em 1952. No ano seguinte, para dar continuidade aos estudos, transferiu-se para a capital paraibana,  onde entraria para o seminário maior e concluiria o curso de Filosofia, em 1954.

A leitura de um livro, entretanto, mudaria o rumo de sua vida. O livro em questão foi o romance O Outro Caminho, de João Mohana, no qual o autor narra o dilema de um personagem, o Padre Eyder, um sacerdote atormentado pelo celibato. O jovem seminarista resolve, então, desistir da opção sacerdotal. Retorna a Viana, em 1955, para ser professor do 3º ano da Escola Paroquial. Dois anos depois, presta vestibular para a antiga Faculdade de Direito, em São Luís, bacharelando-se em 1961.

Enquanto estudante universitário, João Mendonça Cordeiro acumulou experiências diversas como repórter e colaborador dos extintos jornais do Povo e do Maranhão, escriturário e redator de debates da Câmara Municipal de São Luís, postalista dos Correios e Telégrafos e finalmente escriturário do Banco do Brasil, instituição na qual trabalhou por 28 anos até se aposentar em 1992.

No magistério, o ex-seminarista igualmente alcançaria um currículo invejável. Antes de se tornar professor titular de Sociologia, durante 23 anos, em vários cursos da UFMA, lecionou em outros estabelecimentos de ensino da capital como o Centro Caixeiral, Academia de Comércio do Maranhão e Faculdade de Serviço Social. Nos últimos três anos que antecederam sua aposentadoria no magistério ainda ministrou a disciplina “História das Idéias Sociais” para o curso de Economia.

 Ao longo de sua vida literária, entre inúmeros trabalhos de pesquisas, artigos e reportagens jornalísticas publicados, João Mendonça Cordeiro recebeu o “Prêmio Antônio Lopes” do concurso “Cidade de São Luís”, promovido pela Prefeitura Municipal, com o trabalho O Mulato, cem anos de um romance revolucionário, (como obra de erudição, de crítica literária e pesquisa histórica) e o “Prêmio Dunschee de Abranches”, patrocinado pelo Banco do Brasil e Academia Maranhense de Letras, pela reportagem intitulada A Praia Grande.

 Membro da Academia Vianense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, onde tem como patronos, respectivamente, os médicos Sálvio Mendonça e Aquiles Lisboa, o veterano professor publicou os seguintes livros: O Mulato, cem anos de um romance revolucionário; Zoomorfismo Literário; Biografia e Bibliografia do Dr. Aquiles Lisboa; Dr. Sálvio Mendonça, biografia e bibliografia médica, Pessoas e Coisas de Viana e uma autobiografia escrita em comemoração à passagem de seus 70 anos.

Avô de três netos e viúvo há alguns anos, o acadêmico era casado com Maria da Graça Soares Cordeiro desde 1962, com a qual tornou-se pai de dois filhos: Hilton e Cláudio.

Por Luiz Alexandre Rapôso