Academia Vianense de Letras

Quinto filho da união de Pedro José Nunes (Pedro Mendengo) e Maria dos Remédios Marques Nunes, Pedrito Frank Marques Nunes nasceu em Viana, no dia 23/11/1944, pelas mãos da parteira Mãe Umbelina. A família de 11 irmãos vivia numa casa humilde, chamada Japão, que se situava nos fundos da antiga Igreja de São Sebastião, na Rua Celso Magalhães, mais conhecida como “Rua do Canudo”.

Alfabetizado por uma de suas irmãs, Maria da Conceição Nunes (Maria Prego), o travesso garoto logo ficaria conhecido por todos pelo cognome de Pedro Mendengo Filho. Matriculado na extinta Escola Municipal, que funcionava no prédio da Prefeitura, fez ali a 1ª e 2ª séries primárias com as professoras Maria de Nazaré Fernandes e Celina Clara Bezerra. Em 1956, o menino foi transferido para a também extinta Escola Paroquial Dom José Delgado, onde estudou as três últimas séries do antigo curso primário, concluído em 1958. Naquela escola, tornar-se-ia aluno de célebres mestres vianenses, como Didi Magalhães, Maria Antônia Gomes, Celeste Carvalho, Edith Nair Furtado, Lourdinha Serejo, e os padres Heitor Piedade Júnior, Wilson Nunes Cordeiro e Manoel Arouche.

Em 1959, Pedrito Frank viajou para São Luís e no final desse mesmo ano foi aprovado no exame de admissão para o curso ginasial do Colégio Ateneu Teixeira Mendes, estudando nesse estabelecimento de ensino por dois anos para, posteriormente, por conta de uma bolsa de estudo, transferir-se para o Colégio Batista, onde concluiu o ginásio em 1964. Três anos depois, precisou interromper os estudos na metade do 3° ano Clássico, para trabalhar na Secretaria de Segurança Pública do Maranhão. Em outubro de 1968, entretanto, para sua grande alegria, conseguiu concluir o 2° grau, graças aos exames do “Madureza”.

Tendo como projeto maior de vida cursar uma faculdade, o jovem vianense de origem modesta aprendeu desde cedo a enfrentar desafios e vencer obstáculos. Mas não faltaram também pessoas solidárias, como o Dr. Antônio e D. Galante Viegas, que lhe hospedaram por um bom período e ainda lhe davam o maior incentivo.

Após algumas tentativas frustradas de ingressar numa Instituição de Ensino Superior do Maranhão, decidiu migrar para o Rio de Janeiro em junho de 1969. O ponto de apoio para tal decisão foi o amigo Kleber Gomes, filho de um coletor que havia trabalhado em Viana, e que se tornara seu colega no curso pré-vestibular Professor Zé Maria do Amaral.

O sonhado curso universitário também não viria tão fácilmente na “Cidade Maravilhosa.” Depois de pular de galho em galho, hospedando-se com conterrâneos ou velhos conhecidos, Pedro conseguiu ser aprovado em concurso público para o IBGE, em 1971.

Com o emprego garantido, dois anos depois, Pedrito Frank casou com Aurora Therezinha de Menezes Graminner, com a qual teve dois filhos: Marcelo Luiz Menezes Nunes e Marcio Cristiano Menezes Nunes. Com a família para manter, os planos de retomar os estudos tiveram de esperar por longos dez anos.  Nesse meio tempo, atravessou uma das fases mais complicadas de sua vida: abatido por forte depressão e terrível sensação de fracasso, tornou-se presa fácil para o vício do álcool.

Como o velho arvoredo que enverga, mas não quebra com a tempestade, a razão e a força de vontade que sempre acalentaram seus ideais falaram mais altos. Abandonou a bebida e voltou-se para os estudos, ingressando no curso de Psicologia (Licenciatura e Bacharelado) na UCL. Atualmente especializado em Psicologia Clínica Médica Psicossomática, Fisiologia Humana e Psicomotricidade, o psicólogo Pedrito Frank trabalha na Clínica Médico Psicológico Santo Antônio, voltada para jovens e adolescentes, portadores de distúrbios e deficiências motoras e mentais.

Em 1996, em visita ao Maranhão para rever parentes e amigos, Pedro Mendengo Filho deu-se conta das graves contradições culturais e socioambientais impostas à cidade natal. Naquele ano voltou ao Rio de Janeiro decidido a formar uma frente de luta pela preservação da história, da cultura e do meio ambiente de Viana. Depois de dialogar com os conterrâneos José Antônio Castro, Heitor Piedade Júnior, Ademar Maia entre outros, idealizou os Congressos Históricos Culturais de Viana e do Meio Ambiente do Rosário de Lagos do Maracu. Assim, durante onze anos consecutivos, através desses seminários, tentou conscientizar a comunidade local para a vivência de uma cidadania plena e ambientalmente correta.

Pedrito Frank Marques Nunes, ou o eterno Pedro Mendengo Filho para seus conterrâneos, avô coruja das netas Amanda e Beatriz, hoje ocupa a Cadeira n°25 da AVL, cujo patrono é o músico e compositor Raimundo Nogueira.

Por Luiz Alexandre Raposo