Academia Vianense de Letras

 

 

Outrora localizada onde hoje se situa o prédio do Centro de Ensino Médio N. S. da Conceição, a Igreja de São Sebastião, como um dos principais templos religiosos da cidade, foi um espaço de encontro e celebrações da comunidade católica vianense, durante muitas décadas. Ali era realizada, no mês de janeiro, a festa em louvor ao santo mártir, tradicionalmente incorporada ao calendário religoso local da época.

Apresentando uma arquitetura tipicamente barroca, como era comum no período colonial, a igreja possuía mais da metade de sua fachada frontal recoberta de autênticos azulejos portugueses, nos quais se destacava a “cruz de malta” em fundo de cor amarela. Um valiosíssimo monumento histórico que, hoje, caso ainda existisse, certamente seria motivo de orgulho para os vianenses e alvo de admiração por parte de todos que visitassem a cidade.

Na ausência de registro oficial, como quase tudo em Viana, torna-se difícil precisar a data de sua construção, mas estima-se que quando foi demolida, no verão de 1962, a igreja já contasse mais de um século de existência. Sobre este ponto, é importante esclarecer e corrigir um grave equívoco, atualmente difundido no seio da população, que é o de atribuir a demolição da referida igreja a Dom Hamleto de Angelis.

A demolição – Na verdade, o pequeno templo foi demolido com a aprovação dos paroquianos, do então Pároco de Viana, padre Eider Silva, e sob a iniciativa do Sr. Heitor Piedade (o famoso Seu Gegê), encarregado da manutenção do prédio e organizador dos festejos de São Sebastião. Tal decisão foi tomada em virtude da precária situação física da igreja, que apresentava rachaduras em algumas de suas paredes. Por esse motivo, inclusive, já não houve a realização da tradicional festa em janeiro de 1961. No inverno de 1962, depois de uma noite de chuvas torrenciais que vararam a madrugada, por volta das 10 horas da manhã, uma das paredes da sacristia veio abaixo, causando um ruído estrondoso e assustando toda a vizinhança.

Assim, no intuito de evitar um acidente maior (na época não havia a preocupação com a preservação do patrimônio histórico de uma coletividade), foi tomada a triste decisão de pôr o prédio abaixo tão logo cessasse o período das chuvas, o que aconteceu em setembro/outubro de 1962.

A construção da Escola Normal – Quando D. Hamleto chegou a Viana, em agosto de 1963, encontrou apenas um montão de tijolos, no meio da praça, quase encobrindo o antigo cruzeiro. Como a criação de um curso normal era um antigo anseio dos vianenses, o bispo apenas deu a ideia de construir no local, em vez de uma nova igreja em homenagem ao santo, o prédio para sediar a Escola Normal Nossa Senhora da Conceição, cuja construção iniciou-se no 2º semestre de 1966. Talvez por esse motivo passou-se, erroneamente, para a memória coletiva, que a destruição do templo tenha sido obra do 1º bispo da Diocese de Viana.

Neste ano de comemoração dos dois séculos e meio da fundação da cidade, quando mais do que nunca tentamos resgatar nossa verdadeira história, é missão da AVL elucidar os fatos, a fim de evitar-se distorções que comprometam a veracidade das informações transmitidas às novas gerações.

Por Luiz Alexandre Raposo (matéria publicada no Renascer Vianense, edição n° 15)