Academia Vianense de Letras

A imagem de São Bonifácio foi um presente do Papa Urbano VIII aos padres jesuítas como bênção e incentivo pelo importante trabalho desempenhado pelos religiosos na evangelização dos povos do Novo Mundo.

Desembarcada no porto de São Luís, no dia 2 de dezembro de 1652, a imagem foi recebida pelo padre Antônio Vieira que a fez conduzir em procissão até a extinta capela de N. S. da Luz (local hoje ocupado pela Igreja da Sé), permanecendo ali por aproximadamente 30 anos.

 Por volta de 1683, com a fundação da Missão N. S. do Maracu (marco inicial da futura cidade de Viana) a imagem foi levada pelos próprios padres da Companhia de Jesus para abençoar as atividades do Engenho São Bonifácio, situado às margens do atual Igarapé do Engenho.

Depois de 1757, com a elevação da Aldeia de Maracu à Vila de Viana e consequente retirada da jurisdição temporal e secular dos missionários jesuítas, a imagem de São Bonifácio foi levada para a capela de São Brás da Fazenda Araçatuba.

Em meados do século XIX, a imagem do santo se encontrava no povoado de Penalva, então pertencente ao município de Viana. Na década de 1940, a imagem veio para Viana, ficando exposta em dos nichos da Igreja de São Benedito durante alguns anos.

Mais tarde, a imagem voltou novamente a Penalva, onde permaneceu até março de 2007, quando uma missão, composta pelo Comitê de Defesa do Patrimônio Histórico de Viana, Academia Vianense de Letras e técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), recebeu a valiosa relíquia das mãos do pároco da cidade, padre Wilson Cordeiro.

Depois de solicitado seu tombamento como objeto de interesse nacional junto ao Iphan e de ser restaurada em Belém (PA), a imagem encontra-se atualmente em exposição no Museu Histórico e Artístico do Maranhão (anexo de Arte Sacra), conforme contrato de comodato celebrado entre a Diocese de Viana e a Secretaria de Estado da Cultura,

Autêntico e raro exemplar da arte sacra do século XVII, a imagem de São Bonifácio é de madeira policromada, mede 66 cm de altura, e carrega no peito um pequeno relicário com um fragmento de osso do santo mártir da Igreja Católica.

Por Luiz Alexandre Raposo

Para maiores informações, veja a matéria “São Bonifácio do Maracu”, no link Cultura, História e Meio Ambiente.